EFC Engenheiros Financeiros & Consultores

Economia

LULA CONDENADO POR MORO FAZ A BOVESPA SUBIR NA HORA

LULA CONDENADO POR MORO FAZ A BOVESPA SUBIR NA HORA

By on jul 12, 2017 in Brasil, Economia | 0 comments

Hoje, 12 de julho de 2017, os jornais eletrônicos acabam de enviar a informação de que o Juiz Sérgio Moro condenou o ex-presidente Lula a     conforme diz a edição “On line” do Correio Brasiliense: O ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva foi condenado, nesta quarta-feira (12/7), pelo juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, a nove anos e meio de prisão no processo que investiga o caso do tríplex no Guarujá (SP). Lula, no entanto, não deve começar a cumprir a prisão imediatamente, podendo recorrer em liberdade.  Na sentença, Moro rebate as acusações da defesa de que foi um juiz imparcial e apresenta um resumo do processo e suas justificativas para a condenação em 238 páginas. No fim da sentença, Moro afirma que, devido às tentativas de Lula e de sua defesa de desqualificá-lo, até poderia “cogitar a decretação da prisão preventiva do ex-presidente”.   O efeito na Bolsa de Valores de São Paulo foi imediato, conforme o gráfico do site   mostrado abaixo: das 14:00 horas, quando o índice estava em 63.900 pontos, para às 15:10 horas, o índice pulou para 64.721 pontos, ou seja, subiu 821 pontos quase instantaneamente. Porque? O mercado financeiro avaliou que, Lula condenado, perde a chance de se eleger presidente, impedindo assim o partido dos trabalhadores de voltar ao poder.   Fonte do gráfico: http://br.advfn.com/bolsa-de-valores/bovespa/ibovespa-IBOV/grafico/tempo-real Os efeitos dessa condenação na política brasileira serão grandes, pois afasta o partido que dominou nossa política por mais de uma década, sendo o grande responsável por lotar os cargos públicos de agentes corruptos, que roubaram bilhões da população brasileira. Só não vê quem é cego, como as três senadoras que sentaram nas cadeiras da presidência do Senado federal no dia de ontem achando que “na marra” poderiam impedir o avanço das mudanças nas leis trabalhistas. Não conseguiram e agora vão enfrentar uma acusação de falta de decoro parlamentar.  Conforme disse o presidente do Senado Federal, Eunício Oliveira, os militares na revolução fecharam o Congresso Nacional, mas nenhum general sentou na cadeira do presidente do senado, o que a senadora Fátima Bezerra, do PT do Rio Grande do Norte, não só ocupou essa cadeira, como com as demais senadoras da oposição, pediram marmitex e almoçaram na mesa da...

Read More
O PRIMEIRO ESCÂNDALO FINANCEIRO DO BANCO DO BRASIL, 1808-1829

O PRIMEIRO ESCÂNDALO FINANCEIRO DO BANCO DO BRASIL, 1808-1829

By on maio 24, 2017 in Bancos, Brasil, Economia | 0 comments

O primeiro escândalo financeiro do Brasil: D. João VI abriu o Banco do Brasil em 1808 e D. Pedro I o fechou em 1829. Essa história, que está resumida em no livro “Dinheiro Podre” (Editora Matrix, 2016) de autoria de Carlos Daniel Coradi e Douglas Mondo, agora aparece detalhada em edição encontrada na Livraria do Senado, em obra de 1893. Não contente com minha primeira pesquisa sobre a vida inicial de nosso primeiro banco, e procurando uma literatura que detalhasse a sua fase inicial, achei o livro “Meio Circulante Nacional” na Biblioteca do Senado Nacional, escrito em 1893 por Amaro Cavalcanti¹, em dois volumes, sendo o primeiro para cobrir o período 1808 a 1835, com 329 páginas e o segundo, cobrindo o período 1836 a 1866 com 328 páginas. Para aguçar a perspicácia de meus leitores, copio abaixo um dos trechos desse livro na linguagem da ocasião, de  1893: “Contudo os accionistas embolsavam-se integralmente dos juros sobre todo o seu importe, de maneira que os seus ganhos erão enormes. Entretanto esses lucros e o systema de fraude adoptado não podiam por muito tempo fazer face às despezas extravagantes dos directores e dos outros empregados. Iludidos pelos recursos, que reputavam inesgotaveis, eles abandonaram as suas operações comerciais e adoptando os habitos da côrte, e um luxo com que a mesma nobreza não adiava deixar de competir.   I Finalmente, o thesoureiro abandonou a sua familia e evadiu-se para os Estados Unidos, levando comsigo até os fundos ele uma companhia de seguros, que lhe haviam sido confiados”  Para ler o restante dessa interessante pesquisa, acesse meu linkedin clicando no link abaixo: https://www.linkedin.com/pulse/o-primeiro-esc%C3%A2ndalo-financeiro-do-brasil-carlos-daniel-coradi?published=t ¹ O escritor Amaro Cavalcanti (1849 – 1922) era natural da então Provincia do Rio Grande do Norte, onde, após se formar em advocacia, foi designado pelo Presidente da Província para ir aos Estados Unidos da América do Norte, a fim de estudar uma reforma da instrução pública aplicável à província.  Aproveitando seu estágio na república americana, matriculou-se e fez o curso completo na Escola de Direito da Union University (Albany), no Estado de New York, formando-se na turma do ano acadêmico de 1880-1881. Depois de diplomado, foi apresentado à Corte Suprema e dessa recebeu o título de Consellor at Law,...

Read More
RELATÓRIO FOCUS DE 17/04/2017: NOVOS SINAIS DE MELHORIAS

RELATÓRIO FOCUS DE 17/04/2017: NOVOS SINAIS DE MELHORIAS

By on abr 20, 2017 in Brasil, Economia | 0 comments

  O quadro acima, cuja autoria é do Banco Central do Brasil e é publicado todas as segundas feiras pela manhã, podendo ser pedido pelos leitores, desde que eles se cadastrem. Eu recebo direto em meu e-mail. Para se cadastrar, acessem http://www4.bcb.gov.br/pec/GCI/PORT/Mailing/subscrever.asp e recebam o formulário que aparece automaticamente para ser preenchido e enviado ao Banco Central. Vamos então aos comentários principais derivados do quadro mostrado acima: 1) A inflação está completamente dominada, e as estimativas desse relatório Focus indicam que ela terminará o ano de 2017 bem abaixo do centro da meta, que é de 4,50%. Este último FOCUS aponta para 4,06%, um número que o Brasil não vê a muitos anos. Os jovens de hoje não conhecem inflações mensais de 30% (ao mês!) ou seja, quase 1% ao dia. Era um círculo vicioso, os preços eram reajustados todos os dias. Uma loucura! 2)  Em 2017 se prevê um pequeno crescimento do produto interno bruto, o PIB, previsto para 0,4%; para 2018 a estimativa fica entre 2 e 3%. Parece muito pouco, mas o atoleiro em que os políticos e empresários corruptos colocaram o Brasil é terrível, como agora os depoimentos e vídeos dos executivos da Odebrecht mostram escandalosamente, acompanhados de uma dose de cinismo absolutamente repulsiva. Esse pessoal das empreiteiras, que corrompeu todas as obras espalhadas pelo Brasil  não merece sair da prisão! Claro, juntamente com os políticos que foram cooptados (ou os cooptaram, tanto faz o sentido) e juntamente com os doleiros, que serviram a ambos. 3) O lado das contas externas caminha cada vez melhor: crescem os superávits entre exportações e importações, agora apontando para um recorde absoluto de US$ 52 bilhões. 4) O aumento da confiança dos estrangeiros no Brasil fica nítido quando se vê o aumento dos investimentos diretos, previstos agora para US$ 75 bilhões, um recorde também em relação aos anos anteriores. 5) Fora do relatório Focus, existem sinais de melhorias na geração de empregos de um modo geral e melhorias no desempenho do setor de serviços, que reponde pela maior parte da geração de rendas e empregos. 6)  Hoje a preocupação central, contudo, é política, pois não se consegue prever se o Governo conseguirá aprovar no Congresso as reformas tão necessárias para consolidar...

Read More
RELATÓRIO FOCUS DE 27/03/2017: PROSSEGUEM AS EVIDÊNCIAS DE MELHORIAS

RELATÓRIO FOCUS DE 27/03/2017: PROSSEGUEM AS EVIDÊNCIAS DE MELHORIAS

By on mar 27, 2017 in Brasil, Economia | 0 comments

No blog de 19 de março passado, publicamos os gráficos do relatório FOCUS mostrando didática e analiticamente que, com 15 itens, as melhoras da economia brasileira são evidentes. Agora, no novo relatório FOCUS de 27 de março, as evidências de melhorias na economia brasileira prosseguem. Vejam o quadro de hoje, cuja fonte é gerin@bcb.gov.br. Em resumo, digo que: Pela primeira vez em muitos anos a previsão da inflação para 2017 se situa abaixo da meta de 4,5% ao ano. Claro, a recessão é uma das causas desse valor, mas na gestão anterior de Dilma tivemos fortíssima recessão, mas a taxa de inflação disparou para 10,76%. Ou seja, o dado agora publicado é de suma importância, especialmente para a parte mais pobre da população, que tem assim seu dinheiro valorizado pela queda dos preços de um modo geral. Os sinais de que a economia começa a se recuperar foram exaustivamente detalhados no BLOG da semana passada, que pode ser visto em http://carloscoradi.com.br/blog/ ; o relatório FOCUS de hoje indica um pequeno (mas positivo) crescimento de 0,47% para 2017 e de 2,50% para 2018, ainda um número baixo, mas já apontando para uma clara recuperação da atividade econômica. Nesta última semana, tivemos os efeitos negativos da operação “Carne Fraca”, que impactou toda a cadeia produtiva ligada às exportações, com bois nos pastos, frangos e perus nos criadouros aguardando abates. Tivemos ainda reflexos políticos das delações da gigante empreiteira Odebrecht, que irão prosseguir; São dois fatos de natureza econômica e política que certamente atrapalham o processo de recuperação. Mas, apesar desses efeitos negativos, nossa balança comercial caminha para um saldo positivo recorde de US$ 50 bilhões, saldo esse que se agrega à entrada de investimentos diretos, que aponta para U$ 74 bilhões em 2017, número recorde também. Esse dado é importante porque revela a capacidade dos países investirem no Brasil de um modo crescente. Ou seja, as contas externas nunca estiveram tão bem quanto agora, o que prova que em suas linhas mestras o governo do presidente Temer está correto. Nos próximos dias será assinada a lei de terceirização, que certamente vai ajudar nossas empresas industriais e – em meu ponto de vista – gerar empregos adicionais. Acompanharei atentamente....

Read More
RELATÓRIO FOCUS DE 20/03/2017: MELHORIAS EVIDENTES

RELATÓRIO FOCUS DE 20/03/2017: MELHORIAS EVIDENTES

By on mar 21, 2017 in Brasil, Economia | 0 comments

Quem gosta de gráficos, tem um “prato cheio” abaixo, que, com 15 itens, provarei que as melhoras da economia brasileira são evidentes. Vamos olhar cada um e tirar conclusões factuais, examinando as curvas pretas (2017) e vermelhas (2018). Vou chama-los pelos códigos que os superpõem. IPCA, IGP -DI, IGP -M, IPC-Fipe e preços administrados: são cinco medidas da inflação, a primeira (IPCA) calculada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE, autarquia do Governo e que representa o medidor oficial da inflação; duas (IGP -DI e IGP-M) da Fundação Getúlio Vargas, semelhantes entre si (apenas diferem quanto ao período de coleta dos dados, no intervalo dos dias  30 a 30 e de 15 a 15); uma, o IPC-Fipe,  da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas da Universidade de São Paulo, e finalmente o índice dos preços administrados, que são aqueles preços controlados pelos governos. Pois bem, os cinco indicadores de inflação indicam clara tendência de baixa, e abaixo da meta fixada pelo Banco Central do Brasil para 2017, que é de 4,5% no centro da meta (a previsão do IPCA para fins de 2017 é de 4,17% ) Vejam os dados do IPCA desde 2009, quando esse índice foi, pela última vez, inferior ao centro da meta: 2016: 6,29% 2015: 10,67% (resultado do represamento de Dilma para se eleger) 2014: 6,41% (represamento de Dilma) 2013: 5,91% 2012: 5,84% 2011: 6,50% 2010: 5,91% 2009: 4,31% (ano da crise da “marolinha de Lula”), inferior ao centro da meta Taxa de cambio, Balança Comercial, Conta Corrente e investimento direto (IDP): São três temas relacionados. Começamos analisando a taxa de cambio: essa taxa se estabilizou em torno do intervalo de 1 US$ = R$ 3,10 à R$ 3,20. Trata-se de um ponto de equilíbrio entre não inflacionar as importações e onerar o custo de vida em itens importantes como matérias primas estratégicas e não prejudicar as exportações, que estão salvando nossa balança comercial. Esta  caminha em 2017 para um superávit de US$ 48,10 bilhões, um recorde absoluto em toda história brasileira; DIGO EU: os melhores economistas acham a moeda brasileira supervalorizada e estimam que deveria estar por volta de R$ 4,00 a R$ 4,50.A conceituada revista “The Economist” tem um site que permite...

Read More
Melhoras evidentes na economia

Melhoras evidentes na economia

By on fev 21, 2017 in Brasil, Economia | 0 comments

O último relatório FOCUS publicado nesta segunda feira, 20 de fevereiro de 2017, mostra melhoras evidentes, quer para este ano de 2017 quer para 2018, conforme se vê no quadro acima. Vou comentar as principais: 1) A inflação, um flagelo que atinge especialmente os mais pobres ao corroer o poder de compra, está controlada. Pela primeira vez depois de anos, ela terminará o ano exatamente “em cima do centro da meta proposta”, que é de 4,5%. Em verdade, a previsão desse último relatório mostra até ela ligeiramente abaixo da meta, 4,43%; é preciso lembrar de que a ex-presidente Dilma entregou em 2015 a  inflação em 10,72%, pois como os preços foram represados antes das eleições presidenciais de 2014, no ano seguinte eles explodiram. 2) Depois de três anos de recessão, a previsão para o produto interno bruto de 2017  está indicando um  número positivo de 0,48%. Mas é preciso lembrar que em 2015 o PIB recuou -3,847% e em 2016 recuou adicionalmente -4,550%; considerando-se esses dois anos, houve uma perda no produto interno de -8,572%. Ora, o IBGE nos diz que o produto interno bruto ao final de 2015 era de R$ 5,904 trilhões, ou seja, o país perdeu R$ 508 bilhões. Esse é o preço do desastre da administração petista de Dilma, não há como negar. 3) O terceiro dado de destaque desse relatório FOCUS se refere à queda da taxa Selic. Essa taxa é a base de toda estrutura de juro do país, desde a taxa de desconto de duplicatas das empresas até a taxa de juro do cartão de crédito. Ela é a chamada “taxa prime” que serve de base para troca de reservas entre os melhores bancos e entre eles e o Banco Central. No governo Temer essa taxa partiu de 14,25% ao ano, agora caminha para 9,50% ao final de 2017 e em 9,00% ao final de 2018. Digo eu:esse nível ainda é muito alto, pois está apontando um juro real da ordem de 5% ao ano, ele precisaria cair ao nivel internacional que gira por volta de 2%. 4) Cambio: o relatório Focus projeta a cotação da moeda americana na faixa de R$ 3,30  a R$ 3,50, bastante estável. Digo eu: o real ainda ao meu ver está muito...

Read More