EFC Engenheiros Financeiros & Consultores

Corrupção afeta balanço da Petrobrás

OPINIÃO

 Semana Finda em 24_04_2015

Editorial: Balanço da Petrobrás acusa perdas por corrupção e por desvalorização de ativos

Por Carlos Daniel Coradi

Finalmente, após meses de atraso, o novo Presidente da Petrobrás, Aldemir Bendine, apresentou as demonstrações financeiras da empresa, com perdas de R$ 6 bilhões relacionadas com a corrupção e cerca de R$ 50 bilhões referentes aos ajustes nos valores de seus ativos e investimentos em curso, cuja soma equivale à US$ 15 bilhões, aproximadamente. Com essas duas correções, o prejuízo de 2014 chega a R$21,6 bilhões, um furo gigantesco, o maior de sua história de mais de meio século de existência. Contra um lucro contábil de R$ 23,6 bilhões em 2013.  Lucro este que sob a gestão de Graça Foster, era evidentemente falso!

O que é mais surpreendente, para quem assistiu a apresentação, são as declarações absolutamente explícitas, sem rodeios, no dizer de Bendine, “que estamos dando um passo fundamental para o pleno resgate da credibilidade da Petrobrás, para seus acionistas, fornecedores, ao mercado e à sociedade”. Ou seja, reconhece o estrago feito pela corrupção que ocorreu durante muitos anos, e que a nova direção teve de enfrentar sem esconder a dura realidade.

Eu havia já dito em número anterior do “Opinião” que a escolha de Bendine foi correta e que ele tinha toda possibilidade de recuperar a empresa, quando, sob o título “A Petrobras tem conserto com seu novo Presidente?, argumentei que seu trabalho junto ao Banco do Brasil  colocou o “BB”  competindo de igual para igual com os dois grandes bancos privados brasileiros, Itaú e Bradesco. E que, sabiamente, levava seu diretor financeiro para comandar as finanças da Petrobrás.

Veja o leitor a frase mais chocante de Bendine, dita nesta apresentação: “ sim, a gente está com sentimento de vergonha por tudo isso que a gente vivenciou por esses malfeitos que ocorreram..”, após  atribuir as perdas ao esquema de pagamentos desnudado pela operação LavaJato no montante de R$ 6,194 bilhões, com as propinas de 3% sobre os valores das diretorias envolvidas. Dito claro e gravado: CORRUPÇÃO DA LAVAJATO!

O gráfico abaixo mostra a enorme queda do preço das ações preferenciais que saíram de R$ 34,00 em 23/04/2010 para passarem por um mínimo de R$ 8,18 em 30/01/2015 e encerrarem o pregão de 22/04/2015 à R$ 13,12.

Querem saber minha opinião? Comprem agora e aguardem. Vão ganhar certamente. Vamos conferir daqui um ano?

Balanço Petrobrás

Gostou deste conteúdo? Comente e Compartilhe. Ficou com alguma dúvida? Acesse nossa página de serviços e conheça as soluções da EFC para a sua empresa.