EFC Engenheiros Financeiros & Consultores

A situação da economia e da política em 2017

OPINIÃO

A situação da economia e da política em 2017

Semana iniciada em 17_07_2017

 1) A Economia

O quadro abaixo, produzido pelo Banco Central e publicado com a data de 14 de julho passado, mostra que a economia brasileira se recupera lentamente. É preciso ao se analisa-lo, lembrar que o pais saiu da mais grave recessão das últimas décadas. O produto interno bruto (PIB), que representa a riqueza criada por todos brasileiros, recuou em dois anos 7,54% (produto do recuo em 2015 de 3,6% e em 2016 de 3,8%)¹ . Levando-se em conta que o PIB em 2014 era de R$ 5,52 trilhões, os brasileiros perderam R$ 0,42 trilhões, ou R$ 420 bilhões. Este é o furo que o governo Dilma deixou para Temer, ao lado de uma inflação que fechou em 2015 como a mais alta em 10,67% desde 2002 ²

Como se vê, a inflação de 10,67% “largada” por Dilma para Temer foi reduzida para os 3,29% prognosticados para 2017, abaixo do centro da meta do Banco Central, que é de 4,5%. A cotação do dólar se estabilizou em R$ 3,30, nível confortável e previsível para exportadores e importadores. A taxa Selic, “largada” por Dilma em 14,25% ao final de seu “mandato”, tem perspectivas de terminar em 8,0%, conforme a última estimativa do Banco Central. Ao lado desses dados, os saldos comerciais em 2017 caminham para o valor mais alto em sua história, US$ 60 bilhões. Isso significa que o setor externo garante, com esse saldo, a tranquilidade das contas com os demais países. Para que o leitor tenha um termo de comparação, o saldo comercial “largado” por Dilma em 2015 foi de apenas US$ 19,69 bilhões. Ou seja, o governo Temer conseguiu multiplicar esse saldo por três. Outro ponto importante é o volume de investimentos diretos, que pode ser entendido com o grau de confiança dos estrangeiros no Brasil. Dilma “largou” esse saldo em US$ 63 bilhões, que era a média dos últimos anos. Em 2017 deveremos terminar com US$ 75 bilhões, 19% a mais.

Digo eu:  a equipe econômica faz um bom trabalho e se a política (entenda-se JB) não tivesse atrapalhado, estaríamos bem melhor.

 2) A Política

A ação política do governo Temer tem um desenho global de reformas, que estão sendo implantadas paulatinamente, com o apoio do Congresso, embora tendo que vencer uma oposição raivosa, que se atreve a sentar nas cadeiras da mesa diretora do Senado, coisa que nem os generais militares da revolução de 1964 se atreveram a fazer.

Esse desenho global começou pela edição da PEC 241, chamada de “Teto dos gastos públicos”. Ela propõe a limitação dos gastos dos três poderes, ou seja, as despesas da União (Executivo, Legislativo e Judiciário) só poderão crescer conforme a inflação do ano anterior. Essa PEC foi aprovada em segundo  turno por 359 votos favoráveis contra 116 contra.

Decorrente dessa PEC, a área econômica do governo negociou medidas similares com os estados inadimplentes (Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul) condicionando a ajuda federal à criação de medidas similares de saneamento estaduais, incluindo a venda de empresas estatais deficitárias.

O desenho global do governo Temer prosseguiu com a reforma trabalhista, aprovada recentemente, e sancionada em 13/7 passado: lei 13467, denominada “lei de Modernização Trabalhista”.

A proxima “batalha” contra a ira da oposição é a Reforma da Previdência, que certamente será encaminhada para aprovação no segundo semestre desse ano.

Do ponto de vista político, restam ainda novas “flechadas”, pois ainda há “bambus sobrantes”, no dizer do Sr. Janot, Procurador Geral da República. Cuja motivação, ao soltar o maior bandido do país para viver livremente em Nova Iorque, juntamente com o Sr. Fachin (o advogado que nos comícios para releger Dilma, discursava de um modo inflamado) ainda não consegui entender.


¹ A conta deve ser feita da seguinte maneira: {[( 3,6% +1)x(3,8%+1)]-1}x100=7,54%

2  “Inflação alcança 10,67% em 2015, a maior desde 2002” – fonte, http://www.valor.com.br/brasil/4383460/inflacao-alcanca-1067-em-2015-maior-desde-2002